domingo , 28 fevereiro 2021
Capa / /
28/02/2021
Vereador Flávio Negação diz que Cáceres não cumpriu o Estatuto do Consórcio de Saúde
Por: Celso Antunes - DRT 0002074 MT

 

 

WhatsApp Image 2021-02-18 at 12.40.54

Vereador Flávio Negação – DEM – faz forte revelação acerca do Consórcio de Saúde em Cáceres – Foto: Filipe

Dívida de 300 mil reais não permite que o

Consórcio de Saúde “trabalhe em Cáceres”

 

Em data recente, cerimônia em Glória d´Oeste, Cáceres teve assinatura de permissão de retorno ao Consórcio Intermunicipal de Saúde do Oeste de Mato Grosso – CISOMT.  Tratava-se de um cumprimento de promessa de campanha da então Prefeita Eliene.

“Até aí tudo muito bem, ato festivo, bastante comemorado, mas não havia revelado para a população um grande problema que impede o município de Cáceres de participar, ou melhor: receber os benefícios do Consórcio”, destacou.

Na gestão de Francis Maris, o município de Cáceres estava desfiliado do Consórcio de Saúde. Nesse tempo existia uma dívida de mais de R$ 300 mil – que continua atualmente. Com isso a questão de Cáceres fazer parte ou não do Consórcio foi se arrastando até que na eleição de Eliene Liberato, então prefeita de Cáceres a nova filiação ao Consórcio. Isto é: com Francis a desfiliação, já com Eliene a filiação, mas com a permanência da dívida. Assim, o fato é que a cidade de Cáceres deve para o Consórcio de Saúde mais de R$ 300 mil reais.

Mesmo com a dívida, os Prefeitos participantes do Consórcio foram favoráveis a filiação do município de Cáceres. Diante dos votos pode-se considerar que Cáceres está no Consórcio, mas “atolado” no Estatuto que é claro em dizer que o requerente não pode ter dívidas, pendências financeiras que impossibilita o retorno dos serviços do Consórcio de Saúde.

“A dívida soma-se mais de R$ 300 mil reais que num acordo ficou dividido em 24 parcelas de R$ 14 mil reais; mas, valor esse que ainda não foi pago (até o fechamento desta matéria), com isso muitos pacientes estão sem atendimento médico, laboratorial. O povo à míngua por falta de R$ 14 mil reais”, destaca Negação.

A Direção do Consórcio acionou a Justiça para receber, obtendo sentença favorável, contudo, ainda não transitado em julgado.

O Presidente do Consórcio de Saúde da Região Oeste de Mato Grosso, Professor Mauto, seguidor do Estatuto, não pode liberar serviços do Consórcio para Cáceres, a não ser se receber o pagamento do montante, ou a parcela de R$ 14 mil reais.

A análise em questão coloca os munícipes em maus bocados, vez que não pode ter os serviços do Consórcio de Saúde. “A verdade é uma só: sem o pagamento da dívida, ou da parcela, Cáceres fica impossibilitado de receber qualquer serviço médico”, pontuou.

Para o Vereador Negação – o que vem acontecendo na Saúde em Cáceres não pode continuar: “sinceramente espero que a Prefeita Eliene viabilize solução para o caso o mais rápido possível, mesmo porque é a população carente que sofre e paga impostos para ter os serviços em dia”, esbravejou. 

Não possível falar com a Prefeita Eliene para maiores explicações. 

 

Comentários

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Publicidade