LIMINAR: Discussão “Escola Militar no Mário Motta” é adiada

0
5

WhatsApp Image 2021-06-09 at 09.07.13

[dropcap]E[/dropcap]ntenda o porquê a “Eleição Sim ou Não” sobre a implantação ou não implantação da Escola Militar no Mário Motta foi adiada. Na verdade, foi por causa de pedido de Liminar Mandado de Segurança. O Professor Cabral que “entrou” com o pedido. Veja, abaixo: 

 

ESTADO DE MATO GROSSO

PODER JUDICIÁRIO

PLANTÃO DA COMARCA DE CÁCERES

DECISÃO

Processo: 1003964-51.2021.8.11.0006.

IMPETRANTE: CARLOS FONSECA CABRAL

IMPETRADO: GOVERNADOR MAURO MENDES, GISLAINE FERNANDES DOS SANTOS Vistos em plantão.

Trata-se de mandado de segurança impetrado por CARLOS FONSECA CABRAL contra GISLAINE FERNANDES DOS SANTOS.

Postula em sede de liminar acerca da suspensão da audiência pública para implantação da escola cívico-militar na Escola Estadual Senador Mário Motta, marcada para o dia 09/06/2021.

É o brevíssimo relato.

Fundamento e decido.

O mandado de segurança é remédio constitucional (art. 5º, inciso LIXI, da CF) para a proteção de direito líquido e certo, de ameaça de lesão ou de lesão por ato de autoridade.

Para a concessão de liminar em mandado de segurança é necessário que concorram a relevância de fundamentos e o risco de ineficácia da medida caso se aguarde o julgamento do mérito do pedido (artigo 7º, inciso III, da Lei 12.016/2009). No caso sub judice, ficou caracterizado o fumus boni iuris, pois ao que parece não foi concedido prazo razoável para discussão com a comunidade acerca da mudança da metodologia de trabalho e ensino na escola em questão.

No que tange ao periculum in mora, este também é claro, na medida em que a audiência pública já convoca toda a comunidade para votação e escolha.

Ante o exposto, DEFIRO A LIMINAR, para o fim de SUSPENDER a votação do dia 09/06/2021, até ulterior deliberação deste juízo. Intime-se a parte impetrante.

Notifiquem-se a (s) autoridade (s) apontada (s) como coatora (s) do conteúdo da petição, entregando-lhes a segunda via apresentada pelo impetrante, com as cópias dos documentos, a fim de que, no prazo de 10 (dez) dias contados da intimação, preste as informações que achar necessárias.

Dê-se ciência do feito ao órgão de representação judicial da pessoa jurídica interessada para que, querendo, ingresse no feito, nos moldes do art. 7°, inciso II, da Lei nº 12.016, de 2009.

Prestadas informações ou decorrido o prazo, dê-se vista o Ministério Público, para parecer em 10 dias, e voltem conclusos para sentença.

Cumpra-se.

Comodoro-MT, data constante da certificação digital.

(assinado digitalmente) Antonio Carlos Pereira de Sousa Junior Juiz de Direito Plantonista

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui