A PL da Vereadora Mazéh faz parte de uma ação conjunta realizada, em todo o Brasil, pelas Vereadoras que são signatárias da Agenda Marielle Franco

0
119

 

 

 

 

IMG_20210301_095902397
Vereadora Mazéh – Arquivo

 

[dropcap]D[/dropcap]e acordo com a vereadora Mazéh Silva  “este episódio demonstra como ainda a sociedade tem que avançar para que mulheres e homens tenham as mesmas prerrogativas de serem respeitados na mesma medida, nos espaços de trabalho, de lazer e obviamente nos espaços políticos e de poder, onde decisões são tomadas e se nós MULHERES (negras, indígenas, LGBTQIA e periféricas), não estivermos presentes e conscientes nada irá mudar, continuaremos a ser silenciadas e invisibilizadas. A parlamentar ainda frisa que “Aprovar esta PL é dar mais um passo rumo a igualdade de gênero e desconstrução do patriarcado, do machismo e do racismo que tanto impedem a evolução do mundo.”

Desde o final de semana a vereadora Profª Mazéh Silva (PT) está sendo atacada nas redes sociais após protocolar um Projeto de Lei que visa “Instituir Dia Marielle Franco de Enfrentamento à Violência Política contra Mulheres Negras, LGBTQIA+ e Periféricas, a ser comemorada anualmente no dia 14 de Março.” O conteúdo dos ataques são de cunho totalmente machistas e agressivos, tristemente proferidos também por mulheres.

Toda essa onda de ataque gratuito e infundado foi motivado por uma fakenews dizendo que o objetivo do projeto era “Homenagear Marielle Franco no dia da Mulher, ela que nem cacerense era”, ou seja, deturparam tanto a proposta quanto o objetivo, instigando a opinião popular a ir contra o projeto de lei apresentado por Mazéh Silva.

A violência política de gênero pode ser caracterizada como todo e qualquer ato com o objetivo de excluir a mulher do espaço político, impedir ou restringir seu acesso ou induzi-la a tomar decisões contrárias à sua vontade. As mulheres podem sofrer violência quando concorrem à eleições e, já eleitas e, durante o mandato. Essa violência é considerada uma das causas da sub-representação das mulheres no Parlamento e nos espaços de poder e decisão e prejudica a democracia no país.

O projeto de lei protocolado pela parlamentar cacerense faz parte de uma ação conjunta realizada, em todo o Brasil, pelas parlamentares que são signatárias da Agenda Marielle Franco, assim como Mazéh Silva. A PL traz como principal objetivo articular ações coordenadas que visem discutir, inibir e coibir que Mulheres Negras, Indígenas, LGBTQIA+ e Periféricas sejam alvo de violência política, instituindo assim o dia 14 de março, data de 2018 em que a vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco foi assassinada, como o dia oficial para que se discuta e se combata VIOLÊNCIA POLÍTICA CONTRA MULHERES nos parlamentos de todo o Brasil.

A Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180: registra e encaminha denúncias de violência contra a mulher aos órgãos competentes. O serviço também fornece informações sobre os direitos da mulher, como os locais de atendimento mais próximos e apropriados para cada caso: Casa da Mulher Brasileira, Centros de Referências, Delegacias de Atendimento à Mulher, Defensorias Públicas, Núcleos Integrados de Atendimento às Mulheres, entre outros. A ligação é gratuita e o serviço funciona 24 horas por dia, todos os dias da semana. O Ligue 180 atende todo o território nacional e também pode ser acessado em outros 16 países.

Fakenews são notícias falsas que podem ser disseminadas através de rádio, televisão, jornal impresso e redes sociais. Este tipo de notícia é escrito e publicado com a intenção de enganar, a fim de se obter ganhos financeiros ou políticos, muitas vezes com manchetes sensacionalistas, exageradas, deturpadas ou evidentemente falsas para chamar a atenção.

 

.

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui