Vereadora Mazéh Silva (PT) é destaque na mídia nacional

0
7

transferir (1)

Vereadora Mazéh Silva é destaque em artigo Mulheres Negras e as Eleições Municipais de 2020, publicado no portal https://www.geledes.org.br importante veículo de divulgação da pauta negra no Brasil. GELEDÉS Instituto da Mulher Negra fundada em 30 de abril de 1988. É uma organização da sociedade civil que se posiciona em defesa de mulheres e negros por entender que esses dois segmentos sociais padecem de desvantagens e discriminações no acesso às oportunidades sociais em função do racismo e do sexismo vigentes na sociedade brasileira.

Mulheres Negras e as Eleições Municipais de 2020 “Os debates em torno da participação feminina na política representativa ganharam novo vulto na década de 1990, quando os movimentos de mulheres trouxeram como bandeira de luta a ampliação da participação das mulheres no âmbito dos cargos eletivos. O certo é que, apesar da movimentação em todo o período analisado, permanece no Brasil uma sub-representação política das mulheres. Esta discussão se torna ainda mais premente quando tratamos sobre a relação entre a política representativa e as mulheres negras. O que se tem observado é que não existe apenas o problema de gênero nas eleições brasileiras, mas um racismo que estrutura todo o processo eleitoral, impedindo muitas vezes a efetividade das candidaturas negras. As eleições municipais de 2020 no Brasil apresentaram um diferencial em relação aos pleitos anteriores. Os dados do Superior Tribunal Eleitoral (TSE) apontaram uma ampliação, mesmo que ainda tímida, da eleição de negros e negras nas disputas municipais, tanto para o Executivo quanto para o Legislativo. Também houve um crescimento da eleição de quilombolas, indígenas e de representantes da população LGBTQIA+. Apesar da aparente diversidade ocorrida nas eleições de 2020, a população autodeclarada parda não está presente em 18,45% nas casas legislativas municipais. Do mesmo modo, homens e mulheres pretos não estão presentes em 59,51% destes espaços. As estatísticas também indicam que 53% dos municípios brasileiros não têm mulheres negras com assento nas câmaras municipais na legislatura 2021-2024. No total, 84.418 mulheres negras foram candidatas ao legislativo municipal nas últimas eleições, porém somente 3.634 foram eleitas, representando 6% do total. Além dos dados analisados e das desigualdades apresentadas, acreditamos que um outro olhar deve ser ampliado considerando o fato de que as eleições de 2020 demarcaram uma maior articulação de mulheres negras para o processo eleitoral, inclusive destacando as experiências específicas das mulheres negras e periféricas. Um exemplo é dado pela pedagoga, professora, feminista, antirracista, ativista no combate à intolerância religiosa, Maria José da Silva, eleita vereadora em 2020 pelo Partido dos Trabalhadores no município de Cáceres no Mato Grosso. Assim como Benedita da Silva e Marielle Franco (duas grandes referências de mulheres negras na política representativa), a vereadora tem a trajetória fortemente vinculada à causa educacional, defesa dos direitos humanos e o enfrentamento à violência contra as mulheres. Além de Mazéh Silva, várias outras mulheres negras se lançaram na disputa eleitoral durante as últimas eleições e deixaram uma marca de diferenciação Um outro olhar sobre as eleições de 2020 e a participação política das mulheres negras aponta que o pleito apenas preparou a articulação deste segmento da sociedade brasileira para as próximas eleições. Como disse Marielle, “podemos ser diversas, mas não dispersas”. Este é o maior legado das eleições municipais de 2020: a enorme rede de articulação de mulheres negras que se apropriaram de espaços físicos e virtuais para a promoção de uma revolução que se estrutura na maternagem, na potencialização das suas comunidades e no afeto. Estas iniciativas que ocorreram em vários estados brasileiros podem apontar uma modificação nas próximas eleições, criando um maior espaço de debate sobre a participação das mulheres negras na arena eleitoral. ” O artigo foi escrito pela Drª Valdenia Guimarães e Silva Menegon, Licenciada em História, Mestra em Políticas Públicas, Doutora em História. Professora SEDUC-MA; Diretora de Direitos Humanos e Formação Política da UNEGRO/Caxias/MA; Para ler o artigo na íntegra, acesse: https://www.geledes.org.br/mulheres-negras-e-as-eleicoes-municipais-de-2020/      

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui