Vereadores votam contra Projeto de Lei que igualaria salário ao de Professores

0
11
População de CV  lota sessão de votação de projeto para igualar salário de vereador e professor
População de CV lota sessão de votação de projeto para igualar salário de vereador e professor

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara de Campo Verde emitiu parecer contrário ao projeto de lei que pretendia igualar o salário dos vereadores ao dos professores do município. A posição da comissão foi votada anteontem (24) pelo plenário e teve 12 votos favoráveis, inclusive do vereador que assinou o projeto para ser discutido no Legislativo, Paulo Cézar de Aguiar (PDT). O parlamento considerou o PL inconstitucional, alegando que a proposta deveria partir da Mesa Diretora. 

Diante da situação, o pedetista pediu a admissibilidade do projeto para que a Mesa Diretora, então, fizesse a proposta, sanando assim o motivo que apontava a proposta como inconstitucional. No entanto, o vereador foi vencido, com 11 votos contrários à admissibilidade e apenas o dele favorável.

Participantes do movimento “Juntos por Campo Verde” (idealizador do projeto) estiveram na sessão para pressionar os vereadores. Houve bate boca e muitos gritos de protestos. Por conta do tumulto, o presidente da Câmara, Welson Silva (PSDB), suspendeu a sessão, mas os parlamentares já haviam votado o parecer da comissão. 

Nesta legislatura, os parlamentares recebem R$ 5,8 mil, mais R$ 5 mil de verba indenizatória, totalizando R$ 10,8 mil. Enquanto os professores recebem R$ 2,1 mil, sem direito a mais regalias.

O PROJETO

Na justificativa do projeto, além de destacar redução do subsídio para a próxima legislatura, o vereador aponta que  a economia da cidade vai melhorar porque “(…) o município poderá focar em políticas publicas essenciais à comunidade e investir nas áreas que necessitam de verdade deste dinheiro, como pavimentação nas ruas, melhorias na saúde, construção de casas populares, educação e outros”, diz trecho da justificativa do projeto. Na prática, a única forma disso acontecer seria a Câmara devolvendo a verba para o Executivo, já que o montante repassado ao Legislativo é obrigatório. 

Segundo a advogada Doralice Silva Pereira, uma das organizadoras do movimento “Juntos por Campo Verde”, a população vê com revolta o andamento da sessão desta segunda. “A sessão foi suspensa,  mas não terminou”, disse. Na interpretação da advogada, a votação não foi concluída pela Mesa Diretora, já que o presidente não teve como dizer “encerrada a votação” devido ao tumulto e deve voltar à pauta na segunda (31), o que a assessoria da Câmara nega ao garantir que as discussões da proposta estão encerradas.

Na última semana, donas de casa, agrônomos, agricultores, entre outros moradores que compõem o movimento, foram às ruas em favor do projeto. As manifestações na cidade devem continuar mesmo depois da votação ocorrida. 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui