O CAMINHO DA PREVENÇÃO: Mulheres em tratamento de câncer devem se vacinar contra o HPV

0
65

Fator de risco do câncer de colo de útero, estudos recentes demonstraram que o Papilomavírus Humano, o HPV, é mais recorrente em mulheres que convivem com o vírus da imunodeficiência humana (HIV), com síndrome de imunodeficiência adquirida (AIDS), pacientes transplantadas e em tratamento de câncer. O resultado levou o Ministério da Saúde (MS) a ampliar a faixa etária de vacinação para até 45 anos, uma medida importante de prevenção e cuidado às mulheres com o sistema imunológico comprometido.

“Um dos grandes pilares do desenvolvimento do HPV é quando os mecanismos de defesa estão fragilizados, o organismo não consegue se proteger e o vírus permanece atuando por um longo período no corpo. Este contexto pode levar a uma lesão de alto grau, como o câncer. Nas mulheres imunossuprimidas o sistema imunológico já está fragilizado e a vacinação é uma forma a mais de protegê-las”, explica Danielly Gobbi, cirurgiã oncológica da Oncomed. “Com a ampliação da faixa etária, agora é possível imunizar quem não entrava nesse grupo e que, geralmente, está mais exposta às complicações decorrentes da infecção pelo HPV.”

Nas pacientes com câncer, a quimioterapia e a radioterapia podem fragilizar a imunidade por um tempo. Neste sentido, a médica ressalta a importância de manter o calendário vacinal completo. “Quando se enfrenta um câncer, o corpo apresenta inúmeras reações que acontecem em função do próprio tratamento. Em um primeiro momento, a paciente vai lidar com alguns sintomas que ela não lidava antes, como náuseas, perda de peso, perda de cabelo e variações hormonais. Quando a paciente é vacinada, conseguimos evitar que outras intercorrências, como a gripe, a Covid-19 e até mesmo o HPV possam acontecer ao longo do tratamento.”

Médica aponta ampliação da faixa etária de imunização como grande avanço no combate às doenças decorrentes do vírus

Vacinação – Com a ampliação da faixa etária, mulheres com imunossupressão até 45 anos passam a receber três doses da vacina com intervalo de dois meses entre a primeira e a segunda, e a terceira seis meses após a primeira aplicação. “A vacina é produzida a partir de um vírus inativado, ou seja, não há risco de causar a doença. Mas é importante o médico indicar qual melhor momento para tomar uma vacina.”

Sobre o HPV – O HPV é uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST) causada pelo Papilomavírus Humano. Existem mais de 100 tipos, cerca de 40 afetam a região genital e alguns podem desencadear o câncer de colo do útero, vagina, ânus, vulva e pênis. A transmissão ocorre pelo contato direto com a pele ou mucosa infectadas, tendo a relação sexual sem proteção como a principal forma de transmissão.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui